Home > Botânica > Taxonomia Vegetal > Divisão Rhodophyta  
  Botânica
  Fotos
  Manuais
  Especiais
 

Divisão Rhodophyta
Também conhecidas como algas vermelhas.

- Grande maioria multicelular e de água salgada.
- Geralmente crescem presas a rochas ou sobre outras algas.
- Muito abundantes em água tropicais quentes.

Alga vermelha (Rhodophyta) do gênero Gigartina.

 

- Os cloroplastos contêm ficobilinas (pigmentos acessórios), que mascaram a cor da clorofila a, presente nestas algas. As ficobilinas são adaptadas à absorção do verde e azul-esverdeado, que penetra nas águas profundas, locais em que estas algas estão bem representadas.
- Estas algas não apresentam células flageladas, diferente dos outros grupos.
- Várias espécies apresentam terpenóides tóxicos característicos – defesa contra herbívoros.
- Parede celular: componente interno rígido (em geral celulose) e matriz mucilaginosa (ágar ou carragenana), responsável pela textura escorregadia e flexibilidade.
- Quando há deposito de carbonato de cálcio na parede celular, formam as algas coralináceas (família Corallinaceae), com estrutura rígida. O recorde de profundidade de um organismo fotossintetizante é de uma alga coralinácea (268m).
- Importância na produtividade dos corais, juntamente com as zooxantelas (dinoflagelados simbiônticos).
- O corpo da maioria das rodofíceas consiste de vários filamentos coesos interconectados, envolvidos por uma matriz mucilaginosa única. Apenas algumas, como o gênero Porphyra, apresentam células justapostas formando lâminas (uma ou duas camadas).

Alga vermelha do gênero Bonnemaisonia
Alga vermelha do gênero Trailliella
Alga vermelha do gênero Bonnemaisonia
Alga vermelha do gênero Chondrus

 

- Ciclo de vida:
Três fases distintas:
1. Gametófitos haplóides (masculino e feminino, separadamente);
2. Fase diplóide (carposporófito);
3. Outra fase diplóide (tetrasporófito).

- Algas masculinas (n) produzem espermatângios (com espermácios n). Os espermácios são imóveis, carregados pelas águas.
- Algas femininas (n) produzem carpogônios, com a oosfera no seu interior. Este filamento desenvolve uma tricogine (prolongamento).
- Quando os espermácios (liberados na água), encontram a tricogine, os dois se fundem. O núcleo masculino migra até a oosfera, onde ocorre a fecundação.
- O núcleo zigótico (2n) desenvolve um carposporófito que produz os carpósporos (2n) que, ao serem liberados, germinam. Assim, formam um tetrasporófito (2n), com tetrasporângios. Estes, por meiose, formam os tetrásporos (n).
- Os tetrásporos germinam, dando origem a gametófitos masculinos e femininos (n), reiniciando o ciclo.

 

   Termos de uso | Links | A equipe | Contato | |