Home > Botânica > Taxonomia Vegetal > Reino Plantae > Briófitas  
  Botânica
  Fotos
  Manuais
  Especiais
 

O grupo das Briófitas

Este grupo, que contém os organismos genericamente chamado de musgos, compreende três divisões: HEPATOPHYTA, ANTHOCEROPHYTA e BRYOPHYTA.

Exemplos de plantas genericamente conhecidas como musgos ou briófitas.

O grupo das briófitas (ou plantas avasculares) apresenta algumas características marcantes:

- Não possuem sistema de condução de seivas (o transporte dentro da planta é feito por difusão célula a célula);
- Apresentam rizóides, caulóide e filóides (órgãos não verdadeiros).
- Transporte lento;
- O tamanho da planta é reduzido;
- Alta dependência da água (ambientes úmidos).

Apresenta alternância de gerações, com uma característica importante: o gametófico é a geração duradoura, com o esporófito (geração efêmera) crescendo sobre o gametófito. Nas pteridófitas, gimnospermas e angiospermas, ocorre o contrário.

Características gerais das briófitas:
- Primeiro grupo de plantas terrestres. Conquista ocorreu aproximadamente a 430 milhões de anos (Período Devoniano, Era Paleozóica).
- Origem provável a partir de algas verdes.

Semelhanças com as algas verdes:
1- pigmento fotossintético principal: clorofila a. Pigmentos acessórios: clorofila b e carotenóides.
2- Ambos armazenam amido em seus cloroplastos, enquanto outros organismos fotossintetizantes armazenam amido fora dos cloroplastos.
3- As plantas formam fragmoplasto durante a divisão celular. Esta característica é encontrada apenas em alguns grupos de algas verdes, além das plantas terrestres. Todas as plantas terrestres apresentam as características acima = indicação de ancestral comum.

- Briófitas são vegetais que não possuem raízes, caule e folhas verdadeiros. O corpo das briófitas é formado por rizóides, caulídios e filídios. Os filídios são uniestratificados. Podem ou não apresentar “costa” (região central com mais de uma camada de células).
- Não possuem sistema vascular. As substâncias são transportadas por difusão célula a célula. Transporte pelo corpo do vegetal muito lento.
- Por este motivo, são plantas de pequeno porte (poucos centímetros).
- Devido ao transporte lento, estas plantas ocorrem apenas em ambientes úmidos, pois em ambientes secos, as partes aéreas perderiam muita água (transpiração) e não conseguiriam repor esta água com velocidade suficiente (desidratação).
- Apresentam alternância de gerações heteromórficas (característica geral do Reino Plantae). Uma geração gemetofítica e outra esporofítica.
- São oogâmicas (gameta feminino grande e imóvel e gameta masculino pequeno e móvel).
- Apresentam embrião, que é nutricionalmente dependente do gametófito.
- A geração duradoura é a gametofítica (haplóide), diferente das outras plantas terrestres.
- Os gametófitos produzem os gametas e fazem fotossíntese. Os gametófitos dos musgos são dióicos. Raramente são monóicos.
- O esporófito (diplóide e produtor de esporos) se desenvolve sobre o gametófito e depende nutricionalmente do mesmo.
- Gametófito (fotossintetizante), fornece alimento ao esporófito.
- O esporófito tem um tempo de vida muito curto em relação ao gametófito (geração efêmera).


A transição da água para a terra foi possível por causa do desenvolvimento de características para evitar a dessecação:
- Camada externa estéril, protetora das células reprodutivas. Anterozóide (gameta masculino) protegido pelo anterídio. Oosfera (gameta feminino) protegida pelo arquegônio.
- Camada protetora estéril também envolve as células produtoras de esporos (esporângios).
- Presença de cutícula (cera) e estômatos (aberturas responsáveis pelas trocas gasosas).


- As briófitas englobam três divisões de plantas:
HEPATOPHYTA, ANTHOCEROPHYTA e BRYOPHYTA.

Características comuns entre as 3 divisões:
- Anterozóides flagelados (dois flagelos). Capacidade de natação até a oosfera (dentro do arquegônio). Necessita da água para a fecundação.
- Arquegônio em forma de garrafa: longo pescoço com base dilatada (ventre). No ventre se encontra a oosfera.
- As células do canal do “pescoço” desintegram-se quando o arquegônio amadurece, formando um tubo com substância mucilaginosa em seu interior, por onde passa o anterozóide.
- Após a fecundação, o zigoto é retido no interior do arquegônio, onde se desenvolve o embrião.

 

 

   Termos de uso | Links | A equipe | Contato | |